Seguir por Email

Você é o visitante:

Obrigado pela visita
Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

NEOBLOGGER. Tecnologia do Blogger.

postheadericon Comunhão, uma responsabilidade de todos.

IPB Alvorada 16/08/09

Tema: Comunhão

Comunhão, uma responsabilidade de todos.

Texto Bíblico de:

Gálatas 6:1-5

01- Irmãos, se alguém for surpreendido em alguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado. 02- Levai as cargas uns dos outros e, assim, cumprireis a lei de Cristo. 03- Porque, se alguém julga ser alguma coisa, não sendo nada, a si mesmo se engana. 04- Mas prove cada um o seu labor e, então, terá motivo de gloriar-se unicamente em si e não em outro. 05- Porque cada um levará o seu próprio fardo.

Introdução:

Talvez o seio da Igreja seja o lugar onde mais se fala sobre comunhão. Mas como será que é a prática desta comunhão pela Igreja? Como andam os padrões de comunhão de nossas vidas?

A bem da verdade notamos que a Igreja está atravessando uma séria crise da comunhão:

1. O individualismo;

2. O perfeccionismo;

3. A indiferença;

4. O legalismo...

A Palavra nos diz que um crente espiritual deve seguir alguns passos rumo à construção de uma real comunhão na Igreja:

1) É preciso ter misericórdia:

(V.1: Irmãos, se alguém for surpreendido em alguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado.)

Misericórdia é colocar o nosso coração na miséria do outro. É tentar sentir o que o outro está sentindo, se compadecer do outro. É preciso ter compaixão para com os faltosos, estender a mão. Outro termo a ser analisado aqui é a compaixão. Compadecer-se é padecer, sofrer em conjunto com o outro.

É preciso evitar o falatório e o farisaísmo. (as três peneiras: da verdade, da necessidade, do amor). É preciso agir no Espírito (Gl.5:25: Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito.) É preciso corrigir sem matar. Tratar a doença sem matar o doente.

Outro detalhe sobre essa questão da misericórdia é que precisamos saber que também podemos ser tentados e cair e devemos tratar os outros como gostaríamos de ser tratados. (1Co.10:12: Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia.)

2) É preciso dar suporte aos mais fracos:

(V.2: Levai as cargas uns dos outros e, assim, cumprireis a lei de Cristo.)

Levar a carga uns dos outros é manifestar o auxílio mútuo (Ef.4:2: ... com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, ...). É dar suporte.

Aqui não estamos tratando da lei do Decálogo, mas da lei de Cristo que é a lei do amor, é o novo mandamento dado por Ele (Jo.13:34: Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros.) Essa lei de Cristo vai para além das fronteiras do cristianismo, abrange até mesmo os nossos inimigos (Mt.5:44: Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.) A lei do perfeito amor se cumpre no amor ao próximo (Gl.5:14: Porque toda a lei se cumpre em um só preceito, a saber: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.)

O amor de Deus para conosco deve ser o nosso modelo de suporte na construção da comunhão.

3) É preciso evitar o juízo: (Vv.3: Porque, se alguém julga ser alguma coisa, não sendo nada, a si mesmo se engana.)

Precisamos evitar comparar o nosso espectro de justiça com a falha dos outros. (Is.64:6: Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades, como um vento, nos arrebatam.)

Quando julgamos aos outros somos levados ao auto-engano, à construção de uma imagem própria distorcida. Quando enveredamos pelos caminhos do juízo, observaremos todas as falhas dos outros, nos tornaremos especialistas em apontar o dedo, mas ficaremos cegos para consertar nossa própria vida. Precisamos julgar a nós mesmos pelo nosso trabalho para com o Senhor. (V.4: Mas prove cada um o seu labor e, então, terá motivo de gloriar-se unicamente em si e não em outro.)

O trabalho para o Senhor é um bom termômetro da espiritualidade do crente. Quanto mais nos envolvemos em fazer menos teremos tempo para criticar. Precisamos saber nosso real valor, já somos preciosos aos olhos do Pai e não temos a necessidade de nos comparar com os outros.

4) É preciso cumprir com a nossa parte:

(V.5: Porque cada um levará o seu próprio fardo.)

A palavra fardo aqui aparece em contraponto com a palavra cargas do verso 02. As cargas que devemos ajudar o outro carregar é o apoio que devemos dar a todos os fracos e faltosos, ao passo que o fardo aqui é aquilo que pertence somente a nós. Parece paradoxal termos que levar as cargas de forma comunitária e o fardo individualmente. O nosso fardo é a parte que nos cabe do nosso testemunho individual, do exercício do nosso cristianismo...

Isso aponta para a verdade de que prestaremos contas de tudo o que fizermos e deixarmos de fazer para com o Reino do Senhor Jesus. É preciso compreender que cada um tem seus próprios pecados e carrega suas próprias culpas. É preciso compreender que só poderemos dar conta do que é nosso. Diante de Deus responderemos pelas nossas próprias atitudes e não pelas dos outros. Por isso o fardo é individual e a maior responsabilidade que temos é carregar cada um o seu.

Conclusão:

Amados, que possamos compreender que a comunhão é uma construção, onde cada um de nós tem a responsabilidade de fazer a sua parte.

Em Cristo Jesus. A quem seja toda a Glória, Honra e Louvor por toda a eternidade. Amém.

Rev. Alessandro Capelari.

Igreja Presbiteriana do Jardim Alvorada.

.


CONHEÇA A PL 122.

NÃO À PL 122

IPB JD. ALVORADA

Igreja Presbiteriana do Jardim Alvorada

O CAMINHO DA VIDA

Programa O Caminho da Vida

IGREJA PRESBITERIANA

Igreja Presbiteriana do Brasil - 150 anos